• Roger Sampaio

Os números não mentem, mas gráficos podem mentir

Atualizado: 27 de Jul de 2020


Fala meus guerreiros! Hoje falaremos de um assunto polêmico de tal maneira que poderia facilmente renomear o título dessa publicação para 'a arte de mentir através de gráficos'. Gráficos estão presentes no nosso dia-a-dia, porque representam uma maneira fácil de visualizar,representar alguma informação; como diria o ditado: uma imagem vale muito mais que mil palavras. Vemos gráficos nos noticiários, jornais, artigos para mostrar, por exemplo, a crescente taxa de desemprego no Brasil, a série histórica do número de casos mundiais da Covid-19, percentual de possíveis candidatos vencedores em uma pesquisa eleitoral etc. Tudo estaria em perfeita sincronia, se alguns desses gráficos não fossem tendenciosos. É isso mesmo guerreiro que você leu, alguns podem levar a conclusões falsas, seja de forma proposital ou não. Aqui iremos explorar algumas dicas que ajudarão a você reconhecer um gráfico, diremos: que contam histórias para 'boi dormir'.


1. Conte-me uma história

Por trás de todo gráfico existe uma técnica chamada 'Storytelling'. Derivada do termo em inglês 'story' significa história, enquanto 'telling', contar. Segundo o Analista de Marketing Dimitri Vieira: é a habilidade de narrar algo usando técnicas de roteiristas e escritores para transmitir uma mensagem de forma inesquecível. A técnica é persuasiva, usada principalmente no ramo de marketing para vender algo. Ex: comercial do desodorante 'Axe' que conta a história de um homem tímido que usa o desodorante e se torna altamente desejado por mulheres.

Logo perguntas como, por exemplo:

1: O que eu quero transmitir? Qual o propósito desse gráfico?

2: Qual meu público-alvo? (gestores, técnicos, estudantes ...)

3: Como eu quero transmitir a mensagem? Com uma conotação 'positiva' (ex: aumento de vendas) ou negativa (ex: aumento da taxa de desemprego) ou neutra?

Serão respondidas, através do gráfico. Em suma, conte-me uma história e como deseja mostrar essa informação, que logo eu (profissional em construir os gráficos, farei). E antes que você que construir gráficos é simples (com 2 cliques no 'Microsoft Excel' faz), é um equívoco. É quase uma verdadeira arte: envolve escolha de cores, tipo de gráfico, legendas, escala e uma série de outras fatores ...


Agora discutiremos algumas façanhas para tentar ludibriar as pessoas:


2. Eixo Y Truncado

Uma das maneiras mais simples de distorcer os dados é alterar o eixo Y (vertical) de um gráfico. Oops, falei grego agora? Calma meu guerreiro, vamos relembrar o plano cartesiano em Matemática:

Grande parte das vezes, o eixo y (vertical) contém um intervalo de valores que pode começar em zero a um valor máximo. Então podemos alterar esse intervalo para que as diferenças entre valores não pareçam tão discrepantes. Veja esses dois gráficos de barra abaixo (os mesmos dados, porém com escalas diferentes para o eixo y):


Note em especial para o ano 2013, 2014 em ambos gráficos. No segundo gráfico parece que o ano 2013 esteve muito próximo do ano de 2015 em vendas, quanto que na verdade é um mentira (observe o gráfico 1). Se acha exagerado, observe outros exemplos (inclusive transmitido em jornais):



3. Ignorar Convenções

Uma técnica bastante utilizada para tornar o gráfico tendencioso, que consiste em violar, não seguir os padrões. Um bom exemplo é o gráfico de pizza, que conceitualmente falando parte do princípio que todas as fatias deve construir um total de 100%, representando o percentual de cada fatia em relação aos demais. E quando não acontece isso, podemos interpretar erroneamente o gráfico. Vamos ver alguns exemplos na prática, meu guerreiro!


Aqui temos mais que 100%, que confusão! Note que o 77% (maior porcentagem comparado aos demais) some em termos de significância no gráfico. Logo você tenderá a interpretar que ele não é tão alto assim.

Embora o percentual acima esteja correto (100%), note que a escala está incorreta. O 60.2% está bem menor em termo de escala do que realmente deveria ser (ele deveria representar mais da metade do gráfico). Obviamente está tentando enfatizar o 'yes' em prol do 'no'. Seria icônico, senão fosse trágico.

E quando há omissão de 7% como no gráfico acima? O que houve? Vai entender.


4. Escala de Cores Inadequada

Há quem se engane que cores são apenas para enfeitar o gráfico, deixar ele 'bonito'. Há uma psicologia por trás das cores, que inclusive o marketing digital usa há muito tempo para persuadir. Por que você acha que a cor vermelha é comum em fast-food (ex: MCDonalds)? Porque está comprovado cientificamente que ela desperta paixão, urgência em algo. Já a cor verde traz sensação de bem-estar, equilíbrio, leveza, saúde. Não é atoa que é usada pelas empresas que atuam com serviços de saúde.

Temos aqui um exemplo de arco-íris de cores no gráfico e isso vai contra os padrões. Deveriam criar uma paleta de cores e seguir ela. No gráfico acima podemos interpretar enfatizar a idade 18-24 em detrimento das demais devido ao fato desse grupo está representado com a cor vermelha.


5. E no Final das Contas

Existem muitas outras maneira de distorcer um gráfico e contar a história que quiser. Truncar o eixo y, ignorar convenções, alterar propositalmente a escala de cores são algumas técnicas usadas por noticiários, jornais. Não estou dizendo que eles apresentam sempre informações incoerentes. Porém podem, seja propositalmente ou não, tornar os gráficos mentirosos. Portanto, agora você terá certamente um 'olho mais clínico' quando ver gráficos e certamente reconhecê-los quando forem tendenciosos. Abraços e até a próxima!

146 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo